11 abril 2008

Terror

Engoli meu coração
e ainda foi sem respirar.
Ainda pulsando
pude senti-lo pensar.
Mas como?
Lógica e sentimentos?
Então, discutimos,
E o coração tomou a palavra:

- Sinto o azedume do estômago
Tenha a pele rompida
As artérias fechadas
Meu sangue agora é nostalgia
Penso porque me contorço.
Não me deixe pensar no escuro
do silêncio
Voz antes sonora, grave
Agora metálica, no fim.
Fujo de mim para não vê-lo
Ligeiro, vago para onde

Longe
Escondido em tua impressão
Está quase a minha presença
Mas estar para não perpetuar
É um não-ser absoluto.
Um morto no seio do corpo aquecido
Um paradoxo camoniano
Aqui arde, ali eu vejo
E quero mais
Durmo para que minhas impurezas
Se diluam até tomar forma de idéia
E partir para a inexistência do sentir
O coração em disse
E eu continuo...

5 comentários:

Celular disse...

Hello. This post is likeable, and your blog is very interesting, congratulations :-). I will add in my blogroll =). If possible gives a last there on my blog, it is about the Celular, I hope you enjoy. The address is http://telefone-celular-brasil.blogspot.com. A hug.

Giselle Veiga disse...

eu já estava sentindo saudade disso!

=)

R. disse...

Seu coração disse tudo isso, bacana... o que diria seu fígado?
É a boa...

Anônimo disse...

Disse baixo, mas eu escutei. Bom...

deborinha_9 disse...

"Poeta, poetinha, camarada..."
Seria Vinícius?
Não...
É o Frederico!
Saudade de ler vc!:)