03 dezembro 2009

A mulher e a casa - João Cabral de Melo Neto

Tua sedução é menos
de mulher do que de casa:
pois vem de como é por dentro
ou por detrás da fachada.

Mesmo quando ela possui
tua plácida elegância,
esse teu reboco claro,
riso franco de varandas,

uma casa não é nunca
só para ser contemplada;
melhor: somente por dentro
é possível contemplá-la.

Seduz pelo que é dentro,
ou será, quando se abra;
pelo que pode ser dentro
de suas paredes fechadas;

pelo que dentro fizeram
com seus vazios, com o nada;
pelos espaços de dentro,
não pelo que dentro guarda;

pelos espaços de dentro:
seus recintos, suas áreas,
organizando-se dentro
em corredores e salas,

os quais sugerindo ao homem
estâncias aconchegadas,
paredes bem revestidas
ou recessos bons de cavas,

exercem sobre esse homem
efeito igual ao que causas:
a vontade de corrê-la
por dentro, de visitá-la.

4 comentários:

Usnave disse...

Que tipo de mulher será essa?

M disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
marjorie disse...

GENIAL!

mulher é um bicho convidativo, sendo casa ou sendo dona de uma.

Anônimo disse...

Essa mulher sou eu.
Meu grande amor recitou prá mim esse poema, por telefone, antes de termos feito amor pela primeira vez. É o mais lindo poema de amor que já ouvi/ li.
Esse amor perdido jamais vou esquecer. E, se ele entrar neste blog, vai saber que sou eu.
Que jamais deixei de te amar evou esperar até o fim da minha vida. Como Penélope, viu?...