02 dezembro 2006

Considerações de Walter Benjamin sobre a Moda

“Aqui a moda inaugurou o entreposto dialético entre a mulher e a mercadoria – entre o desejo e o cadáver. Seu espigado e atrevido caixeiro, a morte , mede o século em braças e, por economia, ele mesmo faz o papel de manequim e gerencia pessoalemente a liquidação que, em francês, se chama révolution. Pois a moda nunca foi outra coisa senão a paródia do cadáver colorido, provocação da morte pela mulher, amargo diálogo sussurrado com a putrefação entre as gargalhadas estridentes e falsas. Isso é moda. Por isso ela muda tão rapidamente; faz cócegas na morte e já é outra, uma nova, quando a morte a procura com os olhos para bater nela. Durante um século, a moda nada ficou devendo à morte. Agora, finalmente ela está prestes a abandonar a arena. A morte, porém, doa armadura das prostitutas como troféu à margem de um novo Letes que rola pelas passagens como um rio de asfalto.”

2 comentários:

Figueira disse...

interessante,mas...
pq disso ?

Anônimo disse...

Não banalizem o texto do Walter Benjamin .
Sua escrita sobre a História é sempre alegórica.
Tem-se divulgado muitas citações sobre Benjamin e a moda. Contudo, seu texto sobre moda passa pelo viés da Origem do Drama Barroco Alemão que é extremamente complexo.
Nele encontramos o suporte para a compreensão de sua metodologia.