28 dezembro 2006

Por que título?

Não tem música
Sou cheiro
Quero carne
E fujo
De longe
Meu corpo quer pesadelos
E mais longe eu tento ficar
Para não lembrar
Sem rima, sem eco, sem voz
Servo do murro que me espanca
Olhos marejados
Sem sentido é um vazio
Que faz do espaço sem espaço
Um alívio

Um choro constante
Seja no sono
No samba
Ou nelas
O muleque está por perto
Chora mas espera
Percebe o tenso vagar de homem
Metáforas de merda
Sorrisos de um fedor horrendo

Se a poesia fosse um lamento
Escrever seria uma dor tremenda
Um uivo de raiva
Desperta a existência dos ordinários
Por isso mato a mim mesmo
Com palavras que me condenam ao ridículo

(Gosto desta morte
quero a paz)

3 comentários:

GiGi disse...

cara, vamos fazer um sambinha com essa poesia aí!? Ficaria show! rsrsrs...bejim
=)

Maicosul disse...

Um samba? Não seria um lamento, por isso um pagode? Não, me perdoem, o samba é só tristeza, porque nela encontramos o vestido de noiva.

gigi disse...

Pra que chorar se o dia vai raiar?!!? Pra que chorar se existe amor...!!!?
=)